Bruta Flor, o espetáculo

Musical inédito, com dramaturgia e interpretação assinadas por André Morais e direção compartilhada com Jorge Bweres, numa produção do Grupo de Teatro Lavoura.

Tendo como universo o espaço do sonho e do lirismo de um ser humano, Bruta Flor conta  a viagem de um personagem pelo interior de si mesmo. Um Trovador, que conta e canta sua história. Assim como Alice embarca em seu país de maravilhas, ele caminha pelo mundo onírico de seus desejos, segredos e emoções mais íntimas. Durante o tempo de um dia, ele revive toda sua história, numa caminhada por esse sonho. De manhã ele é menino, tornando-se homem e mulher numa tarde, velho ao fim do dia e novamente menino em um novo amanhecer.

Com uma narrativa sem nenhum compromisso com a realidade, o personagem discute temas profundos de uma forma simples e despretensiosa. Fala de um encontro amoroso com Deus numa chuva, da infância, do amor, do masculino, do feminino, e d as mortes e renascimentos de um homem no decorrer da vida. Expondo dúvidas e anseios que são comuns ao ser humano, o espetáculo propõe estabelecer um elo afetivo e de cumplicidade com o público.

Unindo-se a palavra, a música também é um elemento narrativo de muita força. Com repertório inteiramente inédito, onde nomes importantes da música popular brasileira como Carlos Lyra, Chico César, Sueli Costa, Ná Ozzetti, Marco Antônio Guimarães, Ceumar, Edu Krieger, Giana Viscardi e Milton Dornelas compuseram canções especialmente para o espetáculo.

Falas do Trovador

“… é da minha natureza amar, é da minha natureza desvirginar a natureza das coisas… Foi ela que me fez homem, foi a natureza que me comeu pela primeira vez. O feminino sempre comeu o masculino, desde que o mundo é mundo. Eu era um menino, deitado na areia escura e úmida do quintal da minha casa, à tardinha, quando fui engolido pela natureza…delicadamente, ela me bebeu…  jorrou da minha fonte mais oculta todo prazer de sentir o corpo da terra nua, abri os braços tão forte que quase pensei envolver a terra toda num abraço e o meu corpo nu deitado de bunda lisa para o céu tornara-se enfim o corpo de um homem, sem nenhum segredo… No outro dia de manhã, nasceu um pequeno olho d’água no canto do muro da casa, formando um riozinho doce… me sinto o dono dessa fonte, sei que ela é feita da água doce do meu primeiro gozo.”.

Interpretação & Dramaturgia

André Morais

*texto com citações de Fernando Pessoa,

Clarice Lispector, Hilda Hilst, Emily Dickinson e

Caio Fernando Abreu.

Musical com canções inéditas

de André Morais, em parceria com

Marco Antônio Guimarães, Carlos Lyra,

Ceumar, Milton Dornellas, Giana Viscardi,

Ná Ozzetti, Chico César, Sueli Costa e Edu Krieger.

Direção

Jorge Bweres & André Morais

Música Incidental

Eli-Eri Moura & Marcílio Onofre

Músicos  &  Colaboradores na criação musical

Renata Simões, viola

Michel Costa, violão

Osmídio Neto, acordeon

Preparação Vocal

Maria Juliana Linhares

Preparação Corporal

Ângela Navarro

Desenho e Operação de Luz

Jorge Bweres

consultoria de Valmir Perez, Lablux/Unicamp

Cenário

Grupo Lavoura

Técnico de Som

Tina Medeiros

Produção

Lúmina Projetos Culturais

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: